Demonstração do Fluxo de Caixa e seus Benefícios

Demonstração do Fluxo de Caixa e seus Benefícios

Maio 2021

Mais que ajudar na convergência para o IFRS, a Demonstração dos Fluxos de Caixa pelo método indireto é uma demonstração contábil, constante nas Demonstrações Financeiras anuais, que tornou mais fácil a utilização da contabilidade por não contadores.

Os empresários, por exemplo, podem se questionar o motivo da empresa ter lucro contábil sem apresentar o mesmo aumento no caixa da empresa, ou ao contrário, a empresa apresentou prejuízo, porém ao ver o saldo na conta do banco, verifica que está com mais recursos financeiros que antes. A Demonstração de Fluxo de Caixa consiste exatamente em evidenciar as movimentações financeiras que diferenciam o lucro contábil do caixa da empresa.

É uma forma de classificar todas as movimentações financeiras, que não tiveram impacto no resultado, em operacionais, investimentos e financiamentos.

Classificamos como operacionais, além do lucro contábil, os itens do ativo circulante e do passivo circulante, como clientes, fornecedores, estoque, folha de pagamento, impostos a pagar, adiantamentos a fornecedores outros direitos e obrigações que possam estar no ativo circulante e no passivo circulante da organização.

Analisando os valores a receber de clientes, por exemplo, podemos ter a situação de uma venda no dia 20 de dezembro, com prazo de pagamento em 10 de janeiro do ano seguinte. O valor da venda pode ter gerado lucro para a companhia, mas se o valor ainda não foi recebido, o caixa ainda não aumentou. Nesse sentido, podemos dizer que, na data do balanço anual, a venda ocasionou o aumento do lucro, pois é uma receita, mas não houve aumento no caixa, pois a venda ainda não foi recebida.

Outro exemplo semelhante podemos observar no estoque , que também é um item classificado em atividades operacionais. Uma empresa pode ter aumentado seu estoque com compra de mercadorias, o que diminuirá o caixa, porém, enquanto a mercadoria está no estoque, representa um gasto que não foi considerado no resultado, portanto o aumento de estoque será representado com diminuição do caixa na Demonstração de Fluxo de Caixa mesmo sem causar impacto no lucro.

No grupo de atividades de investimentos são classificados todos os gastos e recebimentos em aquisições e vendas de itens do grupo ativo não-circulante, como imobilizados, podendo esse ativo ser tangível, intangível ou compra de participação societária. Isso porque na aquisição ou alienação de um ativo imobilizado, é realizada uma entrada ou saída de caixa para pagamento dessa transação, porém essas atividades são registradas como ativos e por isso não afetam o lucro do exercício, assim sendo, na Demonstração de Fluxo de Caixa o gasto deve ser representado como uma saída de caixa e o recebimento vindo dos itens de ativo não-circulantes são adicionados ao caixa.

As atividades de financiamento são todas as operações que movimentam os empréstimos e financiamentos do ativo circulante, os itens do passivo não-circulante e os itens do patrimônio líquido. Os empréstimos podem ser de terceiros, ou ser capital dos sócios, como a integralização de capital que é um financiamento feito pelo sócio ou acionista. As empresas que realizam as atividades de financiamento, têm basicamente dois momentos: No primeiro ocorre o aumento de caixa (contratação do financiamento) e posteriormente a diminuição de caixa (pagamento da dívida). Os dois momentos não estão relacionados com o lucro contábil, já que a operação de financiamento é meramente a contratação e pagamento de uma dívida, sem haver ganho ou perda, com exceção dos juros que representam despesa financeira, e são computados na apuração do resultado.

Como vimos nos exemplos citados, o lucro não é sinônimo de aumento de caixa, e a Demonstração de Fluxo de Caixa pelo método indireto pode lhe ajudar a encontrar o motivo das diferenças entre lucro e aumento de caixa.

Salatiel Dias Batista Filho
Sócio BPO

 

2021-06-17T14:32:58+00:00 Insider|